A nota mental é a seguinte: eu tenho um conto e preciso terminá-lo. É sobre as “coisas da vida”, mas um verdadeiro escritor não tem a necessidade de explicar as coisas que escreve, certo? As histórias apenas saem da cabeça, formam palavras, organizam-se em parágrafos, ideias, blocos de capítulos até se tornarem um monumento completo. Mas posso dizer que sempre quis escrever um texto cujo personagem principal se chamasse Tomas. A vida é difícil para ele. Principalmente quando se trata do coração. Vive na bolha virtual criada por ele próprio — e quando essa bolha estoura, fica perdido. Ele vai em um encontro e descobre o último amor.