Canção, de Cecília Meireles

No desequilíbrio dos mares,
as proas giram sozinhas…
Numa das naves que afundaram
é que certamente tu vinhas.

Eu te esperei todos os séculos
sem desespero e sem desgosto,
e morri de infinitas mortes
guardando sempre o mesmo rosto

Quando as ondas te carregaram
meu olhos, entre águas e areias,
cegaram como os das estátuas,
a tudo quanto existe alheias.

Minhas mãos pararam sobre o ar
e endureceram junto ao vento,
e perderam a cor que tinham
e a lembrança do movimento.

E o sorriso que eu te levava
desprendeu-se e caiu de mim:
e só talvez ele ainda viva
dentro destas águas sem fim.

Laura is the dreamer

Estava assistindo Mulholland Drive pela milésima vez e notei uma coisa. Quando Adam chega na casa dele e vê a esposa tendo um caso, ele destrói suas jóias mergulhando tudo numa tinta rosa. Sabemos que tudo está dentro do sonho de Diane.

Já em Twin Peaks, quando o agente Cooper coloca as balas numa fritadeira para destruí-las, no último episódio de The Return, é a mesma lógica onírica de Mulholland Drive. O último episódio está dentro do sonho de Laura e o agente Cooper está mostrando quem ela é e por que ela precisa acordar. Laura é a sonhadora. Laura is the dreamer!

Série: Minhas Frases Favoritas

Começo com uma passagem de Passeio ao Farol, de Virginia Woolf:

A Sra. Ramsay sabia que era sempre possível sair da própria solidão através de alguma bagatela, algum objeto, algum som. Pôs-se à escuta, mas tudo estava calmo; o críquete terminara; as crianças estavam no banho; havia apenas o barulho do mar.

Continue lendo “Série: Minhas Frases Favoritas”

O Jogador, Dostoievski

Primeiro livro do Dostoievski que eu leio e a impressão que tive é que os personagens são “transparentes” como cristal diante do leitor. Parece que a gente sabe tudo sobre eles; o autor nem precisou escrever muito. Confesso que achei que iria ser um suplício, mas o texto é leve e as histórias são de fácil assimilação. Próximo passo será Crime e Castigo. Será que consigo?

Continue lendo “O Jogador, Dostoievski”

A meta de leitura

Eu tinha colocado, por brincadeira, 20 livros para 2018. Era realmente pura brincadeira – jamais imaginei que terminaria um e logo emendaria com outro. E assim foi. Cheguei a ler dois por mês. Parece brincadeira, pois sei que há pessoas que leem bem mais que isso, mas foi a primeira vez que “dei o gás” nos meus livros que estavam encostados na minha estante pegando poeira.

Continue lendo “A meta de leitura”

Os Laços Eternos

Este maravilhoso livro, psicografado pela escritora Zibia Gaspareto, ditado pelo espírito Lucius, narra a história de uma criança chamada Nina, que tinha doze anos, e morrera de tuberculose. Já no plano espiritual começou a sentir muita falta da família que lhe era muito carinhosa e estimada, relutava para aceitar o fato do seu desencarne.

Continue lendo “Os Laços Eternos”

O Dia do Curinga, Jostein Gaarder

Ao terminar o livro, um pensamento rápido: queria ter entrado no mundo do Hans-Thomas. Ter saído de Hisoy, na Noruega, num Fiat vermelho com o pai dele à procura de alguma coisa, algum ‘sentido’ para a vida. Afinal, a vida não é isso? Parece que estamos sempre em busca de algum significado para tudo. Eles foram procurar alguém especial – a mãe de Hans-Thomas – e nessa aventura descobriam dezenas de histórias e exploraram as mais intensas divagações sobre o mundo e a filosofia.

Continue lendo “O Dia do Curinga, Jostein Gaarder”

Mal Secreto, de Zuenir Ventura

O livro Inveja: Mal Secreto, de Zuenir Ventura, já começa com uma advertência: o que se vê a seguir é uma tentativa de escrever sobre a inveja, e não diretamente acerca da inveja. E é exatamente o que percebemos ao longo das 264 páginas do livro. O autor nos suga numa incrível história de medo, prazer e apuração jornalística. Logo no primeiro capítulo nos é apresentado Kátia, a filha ilegítima de uma mãe de santo no Rio de Janeiro. É partir dela que Zuenir Ventura desfiará uma teia de acontecimentos que nos levará uma reflexão sobre este mal secreto: a inveja.

Continue lendo “Mal Secreto, de Zuenir Ventura”

Trinta anos depois, Veludo Azul ainda é um dos melhores filmes noir do cinema moderno

É sempre difícil tentar escrever sobre qualquer obra do Lynch. O ideal seria sair do lugar-comum, sem mencionar o quão ‘confuso’ você fica quando termina um filme dele. Mas vamos lá.

Continue lendo “Trinta anos depois, Veludo Azul ainda é um dos melhores filmes noir do cinema moderno”

A Boa Filha, de Karin Slaughter – O primeiro Kit da TAG Inéditos

Quando a TAG Experiências Literárias foi lançada, fiquei naquela dúvida se realmente valeria a pena. Fiquei desconfiado pela ideia de receber livros “surpresas” em casa, mesmo se viessem com algum mimo e outros objetos para justificar o valor pago mensalmente. Fiquei ‘namorando’ a vontade de assinar por bastante tempo, até que fiquei sabendo de uma reformulação da proposta. Hoje, a TAG se compõe de Tag Curadoria e TAG Inéditos. Foi este último que me chamou a atenção.

Continue lendo “A Boa Filha, de Karin Slaughter – O primeiro Kit da TAG Inéditos”
Pular para a barra de ferramentas